Início Institucional Pesquisa Membros Disciplinas Seleção Contato

Disciplinas



DISCIPLINAS POR LINHA

DISCIPLINAS POR SEMESTRE



Eventos


Calendário Acadêmico 2017/1


DISCIPLINAS POR LINHA DE PESQUISA
PIE00021 - Seminário Avançado: Arquivo e Testemunho: o dizer e o escrever na produção de conhecimento

A-   A  A+

Súmula:

Este seminário faz parte dos estudos desenvolvidos pelo grupo de pesquisa Corpo, Arte e Clínica nos modos de trabalhar e subjetivar que atua junto ao Acervo da Oficina de Criatividade do HPSP. Compondo o quinto da série Arquivo e Testemunho, foi planejado tendo em vista problematizações de caráter metodológico referentes aos modos de dizer e escrever em pesquisa. Tal interesse se vincula ao esforço de vir assegurar no campo acadêmico uma volta reflexiva do pesquisador sobre seus próprios modos de escutar e narrar os dados de sua pesquisa, acreditando-se encontrarem-se, aí, aspectos políticos da produção de conhecimento e a expressão de posições éticas implicadas ao fazer acadêmico. Os procedimentos narrativos utilizados têm sido tradicionalmente marcados por uma linguagem denominada, a grosso modo, de “científica”, caracterizada, sobretudo, pela prevalência da objetividade e da neutralidade. Ou seja, o sujeito que produz conhecimento, através de pesquisa, deve recuar de implicações desejantes e apagar sua posição subjetiva naquilo que enuncia, produzindo, dessa forma, uma “verdade” tanto mais demonstrável e replicável quanto mais for desprovida de influências particulares e individualizadas. Tal política de narrativa prende-se a um certo paradigma de ciência que pretende estabelecer universalidades e mesmo generalizações molares em relação ao objeto de estudo. Da mesma forma, firma-se no que Deleuze denomina de língua maior, que atribui especial ênfase à crença nas palavras como representação da realidade. Nesse modelo, ou nesse procedimento, estaríamos no pólo da linguagem como representação, sem que a mesma pudesse vir a ser tratada como problema em si mesmo. Da mesma forma, no procedimento gerado por essa posição objetivista, prevalecem os elementos de um racionalismo que viria assegurar a assepsia do que pode vir a ser conhecido. Nossa posição, entretanto, não se coaduna com essa e, ao contrário, busca outra direção, dessa vez inspirada não mais no Eu falo e sim no Quantos falam, questão tão brilhantemente colocada por Blanchot em seu livro O Espaço Literário. Da mesma forma, encontramos em Walter Benjamin, em Michel Foucault e tantos outros, novas grandes questões desassossegadoras ao ethos da narratividade da pesquisa. As discussões foucaultianas, por exemplo, relativas às dissimetrias entre o Ver e o Dizer, entre as Palavras e as Coisas, propõem-se como profundos problemas vinculados ao Saber e ao Poder. Alocam as discussões a respeito no plano do paradigma ético-estético sustentador dos procedimentos da Filosofia da Diferença. As experimentações que nos têm sido possibilitadas no percurso de tais problematizações levam-nos, por outro lado, a rejeitar o pólo subjetivista, que talvez pudesse aparecer como uma alternativa ativa. Não se trata entretanto disso, uma vez que somos levados a buscar mais do que significações e manifestações atribuíveis a uma pessoa, a um sujeito, a um indivíduo. Nem objetivismo, nem subjetivismo, quem sabe uma busca em direção ao sentido e daquilo que Deleuze denomina, a partir de Spinoza, de expressão e que podemos também chamar de cognição sensível, efetuada como acontecimento de um aprender que implica forças intensas e selvagens, aloca-se no plano dos afetos e aproxima-se com os processos de criação literários. É dessa forma, com essas intenções e inquietações que viemos propor nosso programa de estudo para 2014.1.

Objetivos:
O objetivo deste seminário consiste em colocar em análise os procedimentos de dizer e escrever de que se trata o caso problemático da pesquisa, levando a privilegiar os procedimentos narrativos utilizados pelo pesquisador concebendo-os não como meros adjuntos à produção de conhecimento, mas sim, como o cerne mesmo de seu ethos.

Método de trabalho (principais atividades):
O seminário prevê 14 encontros, de freqüência semanal, no período de abril a julho de 2014. Desenvolver-se-á através de aulas específicas tratando do tema estipulado para cada um dos dias de encontro e contará com participação eventual do Prof. Mário Ferreira Resende. Da mesma forma, subsidiará o estágio docente da doutoranda Luciana Knijnik que participa de todos os momentos da execução desse programa proposto.

Procedimentos e/ou critérios de avaliação:
1. Freqüência, participação em aula e envolvimento com as atividades desenvolvidas ao longo do semestre.
2. Escrita final, como avaliação de maior peso, abordando as temáticas trabalhadas no semestre.



Bibliografia sugerida:

AGAMBEN, Giorgio. O autor como gesto. In: Profanações, Lisboa, Cotovia, 2006. pgs. 83-101.
BARTHES. Roland. A morte do autor. In: O rumor da língua. São Paulo:Martins Fontes, 2004. pgs. 57-64
BENJAMIN, Walter. A tarefa do tradutor. Tradução de Karlheinz Barck et al. Revisão de Johannes Kretschmer. Cadernos de Mestrado/Literatura. Rio de Janeiro: UERJ/Instituto de Letras, 1994. Disponível em: http://www.letras.ufmg.br/vivavoz/data1/arquivos/atarefadotradutor-site.pdf
BENJAMIN, Walter. O Narrador. In: Obras Escolhidas I. Ed. Brasiliense, São Paulo, 2012. p.213-240.
BLANCHOT, Maurice. A voz narrativa. In: A conversa infinita. A ausência do livro.O Neutro . O fragmentário. São Paulo: Escuta, 2010.
CARDOSO FILHO, Carlos. Ficção, Experiência. In: Ceticismo e Ingenuidade: a problematização da subjetividade no pensamento de Foucault, Deleuze e Guattari. Dissertação (Mestrado), UFSC, Florianópolis, 2011, p. 72-88.
DELEUZE, Gilles. A imagem-tempo. São Paulo: Brasiliense, 2007.
DERRIDA, Jacques. Torres de Babel. Tradução de Júnia Barreto. Belo Horizonte: Ed. UFMG, 2002.
FONSECA, Tania Mara Galli e outros (orgs.). Cartografar; Conhecer; Entrevistar; Escrever; Expressar; Estetizar/Eticizar; Fotografar; Imaginar; Ler;Observar; Olhar; Subjetivar; Transduzir; Virtualizar/Atualizar. In: Pesquisar na diferença. Um abecedário. Porto Alegre: Sulina, 2012.
FOUCAULT, Michel. O pensamento do exterior. In: Estética: Literatura e Pintura, Música e Cinema. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2001.
FOUCAULT, Michel. O que é um a autor? In: Estética: Literatura e Pintura, Música e Cinema. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2001.
GAGNEBIN, Jeanne Marie. História e Narração em Walter Benjamin. São Paulo: Perspectiva, 2011.
GUATTARI, Felix. A Caosmose Esquizo ; O novo paradigma estético. In: Caosmose. Um novo paradigma estético. Rio: Ed.34, pgs. 97-110 e 125 a 150.
LEVY. Tatiana Salem. A experiência do Fora. Rio: Relume-Dumará, 2003.
NESTROVSKI, Nestor e SELIGMAN-SILVA, Márcio (orgs.), Catástrofe e representação. São Paulo: Escuta, 2000.
PASSOS, Eduardo e outros (orgs.). Por uma política da narratividade; Sobre a.formação do Cartógrafo e o problema das políticas cognitivas. In: Pistas do Método da Cartografia. Pesquisa-intervenção e produção de subjetividade. Porto Alegre?Sulina, pgs.150-171 e 201-205.
PINHEIRO, Diego Arthur Lima. Contribuições do pensamento Blanchotiano aos estudos da subjetividade – Como criar regiões de silêncio e solidão. Dissertação apresentada ao PPGPsicologia/UFF, 2012.
ZOURABICHIVILI, François. Deleuze e a questão da literalidade. In: Ver. Educação e Sociedade. Campinas, vol.26, n.93, p. 1309-1321. Set/dez. 2005



LIVROS SUGERIDOS:

LIMA, Marcos Eduardo Rocha. Três Esquizos Literários. Porto Alegre: Ed. UFRGS e Ed. Sulina, 2010.

MACHADO, Roberto. Foucault, a filosofia e a literatura. Rio: Zahar, 2000.

__________. Deleuze, a arte e a filosofia. Rio: Zahar, 2009.

FOUCAULT, Michel. Estética: Literatura e Pintura, Música e Cinema. Ditos e Escritos III, Rio: Forense Universitária, 2006.

RODRIGUES, Cristina Carneiro. Tradução e Diferença. São Paulo: Ed. Unesp, 2000.

DURAS, Marguerite. Escrever. Rio: Rocco, 1994.

ALLIEZ, Éric. Deleuze, uma vida filosófica. São Paulo: Ed. 34, ano??

GAGNEBIN, Jeanne Marie. Lembrar, Escrever, Escrever. São Paulo:Ed. 34, 2006.

SELIGMAN- SILVA, Márcio (org.). História, memória, Literatura. Campinas/SP: Ed. Unicamp, 2003.

_________________. Palavra e Imagem; memória e escritura. Chapecó: Argos, 2006.

________________. Leituras de Walter Benjamin. São Paulo: Fapesp:Annablume, 1999.

MALUFE, Annita Costa. Poéticas da Imanência. Ana Cristina Cesar e Marcos Siscar. Rio: 7 Letras, 2011.

GIL, José. A imagem-nua e as pequenas percepções. Estética e metafenomenologia. Lisboa: Relógio d’Água, 2005. (2ª edição).

_________. O imperceptível devir da imanência. Lisboa: relógio d’Água, 2008.

AUSTIN, J.L. Quando Dizer é Fazer. Porto Alegre: Artes Médicas, 1990.


ARTIGOS SUGERIDOS:

MEICHES, Mauro Pergaminik. Bom retiro 958 metros- Geografia e memória e memória poética. Postado by Laboratorio de sensibilidades on 04/09/2013.

ORLANDI, Luis Benedito. Breve passagem pela paradoxal repetição deleuziana. Palestra postada by Laboratório de sensibilidades on 03/09/2013.

SCARPELLI, Marli Fantini. Na era do testemunho. Disponível em:
http://www.revistas.usp.br/viaatlantica/article/view/50256/54370

MALUFE, Annita Costa. Estilo e repetição: Deleuze e algumas poéticas contemporâneas. In: Caderno de Letras (UFRJ), n.26- Jun. 2010.
www.letras.ufrj.br/anglo¬_germanicas/cadernos/numeros/062010/textos/cl26062010Annita.pdf

CALDAS, Ana Paula Britto Heloisa. Testemunho e Transmissão em psicanálise: A ficção é o destino?. Disponível em: http://www.psicanalise.ufc.br/hot-site/pdf/Trabalhos/03.pdf

MEDEIROS, Sérgio. Conversa com Christophe Bident, biógrafo de Maurice Blanchot. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/Outra/article/view/13866/12732

FUX, Jacques; SANTOS, Darlan. Linguagem, Metatestemunho e SHOAH em Georges Perec. Disponível em: http://www.anpoll.org.br/revista/index.php/revista/article/viewFile/636/647

PELBART, Peter Pál. Literatura e loucura: da exterioridade à imanência.
In: Margareth Rago; Luiz Orlandi; Alfredo Veiga-Neto. (Org.). Imagens de Foucault e Deleuze. Rio de Janeiro: D&PA, 2002, v. , p. 287-298.

OUTRAS SUGESTÕES

SANTOS, Nádia Maria Weber. Narrativas da Loucura e Histórias de sensibilidades. Porto Aleghre: Ed. UFRGS, 2008.

PESAVENTO, Sandra Jatahy. Visões do Cárcere. Porto Alegre: Zouk, 2009.

BARRETO LIMA. Diário do Hospício e o Cemitério dos vivos. São Paulo:Cosac Naify, 2010.


DROPBOX: https://www.dropbox.com/sh/3i7tjcadey923i0/p0OgkNhIts


Professor responsável: Tania Mara Galli Fonseca

Linha de pesquisa: Interfaces Digitais em Educação, Arte, Linguagem e Cognição

Natureza: Seminário Avançado

Carga horária: 60

Créditos: 4




Início |  Institucional |  Pesquisa |  Membros |  Disciplinas |  Seleção |  Contato


Programa de Pós-Graduação em Informática na Educação
Universidade Federal do Rio Grande do Sul
Av. Paulo Gama, 110 - prédio 12105 - 3º andar sala 332
90040-060 - Porto Alegre (RS) - Brasil
Fone/Fax: (0xx51) 3308-3986
secretaria@pgie.ufrgs.br
Twitter: @pgieufrgs